Apartamento fechado pode ser um peso nas mãos do proprietário

Há alguns custos obrigatórios para manter o imóvel vazio; aluguel ou venda podem ser solução 

Fonte: ZAP em Casa

AutorZAP em Casa

Manter um apartamento fechado representa um gasto para o dono. Em uma conta simples, é possível mensurar esse valor. Vamos imaginar a seguinte despesa mensal: R$ 600,00 de condomínio e R$ 200,00 de Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU).  Ao final de um ano, teremos R$ 9,6 mil, sem contar o dinheiro necessário para conservação e obras no prédio, cuja contribuição de todos os proprietários também é obrigatória.  

“Com apartamento fechado, sem alugar ou utilizar o bem, a pessoa vai ter despesas. A taxa de condomínio e o IPTU, independentemente da utilização do imóvel, tem que pagar. E as benfeitorias feitas pelo condomínio significam despesas extraordinárias. Tudo isso reflete em um mau investimento para o cidadão”, afirma o economista Dorgilan Pires. 

(Foto:Shutterstock)
Apartamento fechado pode gerar grandes despesas. (Foto:Shutterstock)

Para o especialista, alugar o imóvel é uma solução inteligente para acabar com esses gastos, mesmo que o aluguel fique abaixo do valor de mercado. “Se proprietário conseguir pagar condomínio e IPTU, alugando por um preço baixo, é importante que ele faça essa locação. Melhor ter um faturamento reduzido do que deixar o imóvel fechado. Porque ainda tem a questão da depreciação do bem”.  

O economista Alberto Ajzental, executivo financeiro do setor imobiliário, afirma que nos últimos quatro meses aumentou a procura por aluguel. Ele acredita que é melhor alugar rápido um apartamento fechado, mesmo com valor mais baixo, porque em breve haverá muita concorrência. 

“Daqui a 18 meses, principalmente em São Paulo, vai entrar muito produto para locação, especialmente os de até 80 metros quadrados. A oferta será grande, porque começaram a construir agora, o mercado está produzindo”, afirma ele. 

Quando vender um apartamento fechado

Para Dorgilan Pires, a pessoa precisa fazer as contas e ver se vale a pena continuar com o apartamento fechado ou vendê-lo. “Se conseguir pegar um bom valor, média de mercado, pode buscar um investimento com rentabilidade melhor. Temos investimentos que pagam, acima de três anos, 105%, 110% do CDI. É bem vantajoso. Algumas aplicações do Tesouro direto, mais conservadoras, dão boa rentabilidade. É questão de fazer as contas”.  

Ajzental acredita que o custo para manter um apartamento fechado não é tão alto, fica em torno de 2% a 3% do valor do imóvel ao ano. “Mas se a pessoa tem um produto que vai sofrer uma enorme concorrência daqui a 18 meses, de 30 a 80 metros quadrados, vende ou aluga agora. Se o apartamento é maior, fora dessa faixa, não terá esse problema. Mas se quiser vender, o melhor é já, com juros mais baixos e economia melhorando”.  

REM Construtora apresenta maquete de imóvel feita em impressora 3D

Além de ser feita totalmente em impressora 3D, a maquete é sustentável e apresenta detalhes impressionantes sobre o empreendimento.

Um dos grandes diferenciais do projeto foi a apresentação da primeira maquete do mercado imobiliário totalmente feita em uma impressora 3D com materiais sustentáveis.

maquete 3D da REM Construtora
Maquete 3D da REM Construtora impressiona pelos detalhes, acabamento e realismo. (Fonte: Divulgação)

A maquete foi impressa tendo o filamento PLA — Ácido Polilático como material de base. Esse biopolímero transfere benefícios ambientais por ser produzido a partir de fontes 100% renováveis por meio da fermentação de açúcares derivados de plantas como o milho. 

Além disso, em comparação com a construção de maquetes convencionais, que geram volume significativo de resíduos ambientais, a maquete por impressão 3D praticamente não gera sobra de resíduos utilizados na construção da mesma.

“A sustentabilidade tem de ser abraçada pelas empresas imobiliárias. A REM tem tradição de investir em práticas ambientalmente corretas, como na redução de desperdícios em obras e no descarte adequado de materiais”

– Rodrigo Mauro | Sócio-Diretor da REM Construtora

Fonte: ZAP em Casa

Garantias no contrato de locação de imóvel, você conhece todas as modalidades?

O artigo 37 da Lei 8245/91 dispõe que o Locador proprietário do imóvel escolha a modalidade de garantia locatícia e não o locatário/inquilino, vejamos:

Art. 37. No contrato de locação, pode o locador exigir do locatário as seguintes modalidades de garantia:

I – caução;

II – fiança;

III – seguro de fiança locatícia.

IV – cessão fiduciária de quotas de fundo de investimento. 

Parágrafo único. É vedada, sob pena de nulidade, mais de uma das modalidades de garantia num mesmo contrato de locação.

Portanto, o contrato de locação somente poderá utilizar uma modalidade de garantia locatícia.

A garantia no contrato de locação visa a assegurar ao Locador a satisfação do crédito decorrente da locação, caso o inquilino fique inadimplente, a garantia locatícia será responsável pelo pagamento e satisfação do débito.

Dentre as garantias locatícias mais comuns temos a Caução, Fiança, Seguro Fiança, cessão fiduciária de cotas e fundos de investimentos, assim como: titulo de capitalização, carta fiança ou depósito caução, vejamos cada uma destas modalidades:

CAUÇÃO: podendo ser feita em dinheiro, bem móvel ou imóvel de propriedade do Locatário, oferecidos como garantia das dividas ou que possam a existir em relação à locação, (art. 38, LV da Lei 8245/91). Sendo a caução em dinheiro, não poderá ultrapassar o valor correspondente a 03 (três) meses do valor do aluguel, sendo a caução em bens móveis deverá ser registrado no cartório de notas e, sendo bens imóveis será registrada no cartório de registro de imóveis.

FIANÇA: o fiador é co-responsável pelo pagamento do aluguel, assim como pelos encargos e responsabilidades do contrato de locação, este geralmente é proprietário de imóvel já quitado, não são todas as pessoas que estão dispostas a cederem responsabilidades e assumir riscos como fiador e garantidor em um contrato de locação.

SEGURO FIANÇA:  o seguro fiança geralmente é oferecido por uma seguradora que fica responsável pelo pagamento da locação em caso de inadimplência, quem contrata o seguro fiança poderá parcelá-lo. Esta espécie de garantia locatícia envolve menos burocracia e dispensa a questão do fiador, podendo incluir nesta espécie também custos como IPTU.

CESSÃO FIDUCIÁRIA DE COTAS E FUNDOS DE INVESTIMENTOS: esta garantia é uma garantia real que transfere a titularidade de cotas de fundo de investimento do locatário ou de terceiro cedente para o locador, o qual ficará sob guarda da instituição financeira, que ficará como agente fiduciário, estando estas cotas sujeitas as regras da CVM – Comissão de valores imobiliários.

TITULO DE CAPITALIZAÇÃOo titulo de capitalização é comprado pelo inquilino locatário ficando vinculado à locação, em havendo inadimplência o titulo poderá ser sacado para cobertura de prejuízos, ou ao término da locação, se tudo estiver em dia, o locatário poderá havendo sobra de recursos, efetuar o levantamento do valor.

CARTA FIANÇA: por esta garantia o banco entrega ao locador uma carta fiança caso o inquilino não pague o aluguel ou encargo da locação, a instituição financeira fica responsável, a carta fiança é atribuída sobre um valor fixo, pré-fixado.

DEPÓSITO CAUÇÃO: nesta modalidade de garantia locatícia o locatário deposito o equivalente a 3 (três) meses do valor da locação em uma caderneta de poupança que ficará em nome do locador, se ao final do contrato o locatário estiver em dia com a locação este valor poderá ser levantado pelo locatário, assim como ocorre no titulo de capitalização, em havendo dividas este valor ficara com o intuito de cobrir o prejuízo pelos débitos, em havendo sobra de valores este poderá ser devolvido ao locatário.

Verificamos aqui às principais modalidades de garantia locatícia, lembrando que um contrato de locação imobiliária deverá ser bem redigido para que expresse para ambas as partes, locador e locatário a devida segurança jurídica, o qual evitará futuros conflitos e pleitos judiciais desnecessários.

Fonte: rosegirardiadvogada.com
Advogada Rose Glace Girardi
OAB/SP 334.290